eixos temáticos

1. DESIGN NO BRASIL: QUANTIFICAÇÃO E QUALIFICAÇÃO
2. DESIGN: HISTÓRIA E TEORIA
3. DESIGN E TECNOLOGIA
4. DESIGN E EDUCAÇÃO
5. DESIGN E SOCIEDADE
6. PRÁTICAS E FERRAMENTAS DO DESIGN
7. DESIGN E NOVAS ECONOMIAS
8. ORGANIZAÇÕES, NEGÓCIOS E INOVAÇÃO

1. design no brasil: quantificação e qualificação

Artigos que se utilizem de técnicas qualitativas e/ou quantitativas de mensuração, ou que desenvolvam métricas aplicadas à nossa atividade acadêmica e profissional. Para conhecermos o que fazemos e aprendermos com isso, precisamos organizar e sintetizar essas informações. Para promover uma produção que fundamente políticas de incorporação do design à cultura brasileira, essas sínteses são essenciais. Faz-se necessário reconhecer com precisão o que somos, como somos, a que nos dedicamos, de quais saberes somos detentores, quantos somos, onde estamos. 

1.1 Dados e métricas da prática do design no Brasil
1.2 Dados e métricas da educação do design no Brasil
1.3 Dados, métricas e questões qualitativas na pesquisa em design no Brasil

Coordenadores do Eixo 1: André Monat, Carla Spinillo, Eugenio Merino e Veranise Jacubowski.

2. design: história e teoria

Trabalhos dirigidos à compreensão histórica e/ou teórica de fenômenos que dizem respeito à cultura do design em variadas vertentes – do exercício da crítica como reflexão informada aos elementos constituintes do campo em sua dimensão epistemológica; de olhares voltados a acontecimentos, ideias, processos e contextos do passado e do contemporâneo, visto que a história não lida exclusivamente com o tempo pretérito; e das relações entre territórios e identidades, em suas dimensões física e simbólica.

2.1 Territórios e identidades
2.2 Campos, linguagens e metodologias
2.3 Epistemologia do design

Coordenadores do Eixo 2: Giselle Hissa Safar, Helena de Barros, Marcos da Costa Braga e Ronaldo Correa.

3. design e tecnologia

Trabalhos sobre materiais, técnicas e processos de produção e projeto em âmbitos diversos – desde o âmbito mais mecânico ao mais virtual, neste último, ao explorar as mídias eletrônicas e digitais. Aqui cabe também a discussão sobre metodologia assim como das ferramentas utilizadas em diferentes áreas do design, compreendendo sua especificidade. 

3.1 Materiais, técnicas e processos
3.2 Mídias digitais e virtuais
3.3 Métodos e ferramentas

Coordenadores do Eixo 3: Doris Kosminsky, Tiago Barros Pontes e Silva e Vicente Cerqueira.

4. design e educação

Trabalhos dispostos a intensificar o debate acerca de preceitos e abordagens pedagógicas, de metodologias inovadoras, do papel do designer na proposição de estratégias e recursos instrucionais, da aplicação do design no uso das novas tecnologias da informação e da comunicação, de procedimentos educativos assim como de proposições e análises de ferramentas educacionais. Cabe indicar a necessidade de investigar a distinção e as especificidades entre questões de aprendizagem e questões instrucionais, de avaliar aspectos interdisciplinares de design e educação, assim como, aspectos gerais que lidam com a consciência do design. 

4.1 Abordagens pedagógicas
4.2 Procedimentos e ferramentas
4.3 Aplicações tecnológicas

Coordenadores do Eixo 4: Bianca Martins, Cristina Portugal, José Guilherme Santa Rosa, Marcio James Soares Guimarães.

5. design e sociedade

Trabalhos sobre a relação do campo do design com a sociedade que promovam a discussão do papel do design tanto como objeto de políticas públicas quanto como catalisador político. Neste início de século, diante de questões sociais prementes, o papel do design ganhou grande relevância. As oportunidades oferecidas no terreno da inovação social e do ativismo cultural implicam em profunda análise de nossos valores e responsabilidade, tendo como pano de fundo debates sobre democracia, representação e participação. 

5.1 Políticas públicas em design
5.2 Participação social e inovação social
5.3 Design e práticas culturais

Coordenadores do Eixo 5: João Sobral, Lilyan Berlim, Ricardo Artur e Rita Ribeiro.

6. práticas e ferramentas do design

Trabalhos que discutam práticas contemporâneas do design e, simultaneamente, a persistência de elementos fundamentais às atividades de projeto. Frente aos desafios tecnológicos, econômicos, culturais e epistemológicos impostos à prática do projeto, o design vem enfrentando, desde o final do século 20, uma série de crises. Os preceitos estabelecidos no início do século 20, ainda hoje ordenadores de práticas profissionais e educacionais, já não bastam para o enfrentamento das novas questões de projeto apresentadas pela contemporaneidade. No entanto, alguns referenciais permanecem vivos no cenário da atuação profissional.

6.1 Objetos, práticas e experiências
6.2 Redes colaborativas e trabalhos em equipe
6.3 Interdisciplinaridade, multidisciplinaridade e transdisciplinaridade

Coordenadores do Eixo 6: Cláudia Marinho, Maria Cristina Ibarra, Mauro Pinheiro e Priscila Farias.

7. design e novas economias

Trabalhos que discutam a relação do design com atividades que se constituem como motores do desenvolvimento da sociedade e de territórios e valorizem as iniciativas criativas. As novas economias podem ser entendidas pelas lentes da competitividade, do empreendedorismo, da inovação, da sustentabilidade e de novos mercados. Estão inseridas na lógica de um novo padrão competitivo, que destoa dos critérios de competição da era industrial e que refletem as mudanças pela qual mercado e empresas estão passando, impulsionadas pelas transformações digitais e as responsabilidades socioambientais. Dentre as novas economias, destacam-se aquelas que se baseiam na criatividade como recurso. 

7.1 Design e economia criativa
7.2 Design e economia circular
7.3 Design e economia colaborativa

Coordenadores do Eixo 7: Carla Cipolla, Cyntia Malaguti, Joana Contino e Virginia Cavalcanti.

8. organizações, negócios e inovação

Trabalhos sobre assuntos emergentes: modelagem de negócios através do design, a participação do  design na estruturação de organizações e serviços públicos, a noção de um design para o Estado, assim como a relação a se estabelecer com a ideia de inovação. Todos esses temas são demandadores de pesquisa e análise em profundidade. 

8.1 Design de serviços
8.2 Gestão de design
8.3 Design estratégico

Coordenadores do Eixo 8: André Ribeiro, Dercio Santiago, Karine Freire e Viviane Nunes.

ARTIGOS COMPLETOS